sábado, 28 de agosto de 2010

Um coração mudo
no espanto do adeus,
assim, tão repentino,
insperado,
insuspeitável,
enlouquecedor,
inexorável,
e em dor profunda...
É o que trago, 
em batidas nada melódicas,
desde que vocês
se foram...