quinta-feira, 21 de outubro de 2010

~HEARTS FOR CHRIST~
 
Have you a heart for the lonely
those who are hurting or rejected?
Do you think of those who are homeless,
aged, despised, or neglected?
 
Hearts for Christ will love others
with a love which only God can give,
they will care about others, as Christ did,
share the gospel, to give others reason to live.
 
Jesus was the world's greatest Valentine
for He alone gave His life and great love,
without His supreme sacrifice,
we'd have no way to heaven above.
 
Hearts for Christ must be humble
we must depend on God's grace every day,
when we see a brother or sister stumble,
we should be willing to help them and pray.
 
What this world needs most is Jesus
 His love and sacrifice will set them free,
People need to hear of salvation,
our Savior died for souls, on Calvary's rugged tree.
 
Love is the greatest gift of all
and although everything else may fail,
we know the love of God is freely bestowed,
His love shall always and forever prevail.
 
There is someone who cares, my friend
there is a God who truly loves you 
your every burden He will bear,
our Precious Lord will see you through.
 
So reach out today with love
and let others know someone cares,
As you touch other hearts for Jesus,
you'll find God's love is always faithful and true.
 
Blessings In Christ,
Jo Ann Kelly ©  2006
J. P.'s Inspirations
This writing may be used in its entirety, with credits intact,
for non-profit ministering purposes.
 
"Thank you Lord for the free gift of salvation."

NÃO TENHAS SOBRE TI (MILAD)

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Tribulação (ou O voo da águia)


Densas nuvens de envelhecida prata
Eclipsaram o céu de um intenso azul
E ensandecidas vagas contra as pedras
Eram açoites que empunhava o Sul.

A escuridão, pesada, perspassou-me
Gélida, os ossos, como um vulto atroz
E como vidro estilhaçado em pontas
Cortou-me o coração, calou-me a voz.

Em turbilhão, profusos sentimentos
Fizeram ecos na alma atormentada
E o vendaval de emoções tenebrosas
A eclodir bradava: "Não tens nada!

Tudo perdeste quanto um dia amaste
E despojada foste. Volta ao pó!
Não tornarás a ter mais a alegria
De ver teu filho, tua mãe, tua avó..."

Volveu-se em pranto a lancinante dor
A submergir-me em abismo profundo
Abominei em mim a própria vida
E desejei que se findasse o mundo...

Mas, nesta hora de tristeza tanta, 
Cristo tomou-me em Seus braços sagrados
E sussurrou-me, em meu ouvido, assim:
"Vivos estão em Mim os teus, guardados."

E em Suas mãos, segura, eu alcei voo
Como uma águia faz, quando há tormenta
Subindo além das mais espessas nuvens
A tudo vence, pois a tudo enfrenta.

E assim procedo, em cada dia mau.
Como águia sou e o céu azul conquisto
Pairando muito além do temporal
A segurar nas firmes mãos de Cristo.





terça-feira, 19 de outubro de 2010

Balada para o meu amor perdido


Evoco sons do passado
Proibições, ameaças
e seu riso amado
que me fazia quebrar todas as regras.

Nosso amor estranhava 
pela pureza
e, ambos, fomos machucados
pela rejeição que nos cercava...

Mas eu e você
éramos tão felizes
em meio ao caos!
E ríamos de tudo,
e ríamos de todos...

Ninguém nos consolou
Mas eu tinha você
e era sua
contra o mundo.

A separação aconteceu
sem que o amor se rompesse
e, hoje, você vive em mim
e aconteço nos seus pensamentos.

Vidas distanciadas,
Amor intacto...
Eu poderia recomeçar
tudo neste instante
e ser feliz de novo
e fazê-lo feliz
como queríamos...


Imortal


Outono dos meus verões,
sol posto, folhas caídas,
caminho amarelecido
dificultando saídas...

Folhas mortas _ minhas perdas_
o melhor do meu passado
que o vento dilapidou
a cada passo avançado.

Junto em montes folhas secas
que o fogo destruirá,
mas... de repente... surpresa!
Uma delas na árvore está.

Toco-a, tenra, suave, bela,
embora já tão antiga.
Por que não envelhecera?
Por que com o tempo ela briga?

É a folha do amor vivido,
sobrevivente, imutável,
resistindo à chuva e ao vento,
incólume, inabalável...

Percebo (e quanta alegria!)
que o passar do tempo mau
não a tocou. Ela é imune.
É o nosso amor... imortal...


Separação

Há tanto tempo já que me afastei
e disse adeus ao meu mais caro sonho:
o nosso amor, que coloria o dia
e iluminava o céu negro e tristonho.


Não sei porque (momento insano e atroz)
fui crer que iria só trazer-te o mal
e te lancei ao mundo, a novas buscas,
sem ver que dava em mim golpe mortal...


E, separados em caminhos toscos,
nos envolvemos em outros amores
a mascarar em nós as nossas dores...


Hoje distantes, tu e eu, querido
temos feridas nossas esperanças
e o nosso amor... que vive de lembranças...