quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Ao meu poeta


Morreram todos em um
e ele sem saber
que começaria a Vida
sem mais tormentos
sem indagações
e nem que a nós legava
um universo de beleza
e de infindáveis questionamentos...