domingo, 10 de outubro de 2010

Canção do meu Amor



O sentimento brotou em meu coração
e explodiu em meus lábios
como uma canção de amor profundo,
cuja melodia somente anjos
poderiam executar.
E cantei esta canção de amor
apenas para os teus ouvidos
com o coração transbordando
e a alma em êxtase.
Os sons, um a um, fluiram
e, como labaredas 
rápidas em seu curso,
encheram o ar,
penetrando em cantos escuros,
devastando antigos medos,
quebrando todos os bloqueios,
rompendo todas as cadeias,
secando todas as lágrimas
que, um dia, brotaram
de meu coração amargurado
por tantos sofrimentos...
E as ondas musicais,
harmoniosas,
invadiram os porões de minha memória,
arrastando de lá
mágoas, desesperos,
ódios e ressentimentos,
apagando todos os traços
do viver sofrido, 
do pranto derramado
pelos erros cometidos.
Os acordes sonoros dissiparam
pesadas nuvens 
de sombras mortais,
projetadas
sobre o caminho em que trilhava.
E a canção que cantei elevou-se
como pássaro cortando os ares,
buscando a Luz que não se apaga.
A claridade envolveu-me inteira
e a canção de amor, puro louvor,
levou-me a tua presença.


Ah, como és belo, Amado meu!
Hei de cantar-te o meu amor
eternamente.
Hei de louvar-te pela vida a fora
e, correndo para os teus braços,
faço de ti
a minha verdadeira habitação,
pois só tu, somente tu,
és o Amor que inspira esta canção.