domingo, 10 de outubro de 2010

Balada para o meu amor criança





Eu te amo assim, por tudo, infantilmente
com o mesmo amor de sonho, diferente,
com que as crianças amam seus brinquedos.


Eu te amo assim, com o mesmo amor discreto,
que elas têm ao brinquedo predileto
que um dia lhes foi dado por presente.


Eu te amo assim, também te destacando
dentre os sonhos que a vida me foi dando,
dentre os raros presentes que ganhei...


Eu te amo assim, com meu amor-criança
que se alimenta apenas da esperança
de te saber, um dia, realidade.


Eu te amo assim, com meu amor-quimera,
que minhas próprias ilusões supera,
na ilusão de te tornar verdade.


Mas meu amor é como o da menina
que chora sempre ao lado da vitrina
onde há o presente que não será seu.


O meu amor é triste desencanto,
porque, depois de destacar-te tanto,
és o presente que ninguém me deu...